sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Infinito sem Nome

É na curva do horizonte
que se percebe
o quanto ainda
se pode ir mais longe.

E,a,p'

1 comentários:

Raquel Rodrigues disse...

E, mais e mais longe sempre, vamos ficando.

Parece que é destino do homem ficar distante demais indistintamente a cada nova descoberta dentro de si.

Postar um comentário